MONA PLURAL GADELHA por Juninho Batista

Vou te contar dois segredos sobre essa matéria, um a enorme vontade de escrever sobre esse universo que é essa pessoa incrível, essa grande artista e o outro do medo de escrever (medo mesmo) porque acho ela tão grade, plural e tenho tanto respeito por sua carreira e gratidão, por representar tão bem o Ceará que de verdade tinha receio, medo… além do que ela é sumidade em tudo que faz, falo de Mona Gadelha, uma das maiores expressões artísticas do Brasil, cearense, maravilhosa, talentosa e diversa.

Sem falar que o desenho de sua carreira é fabuloso e em todas as suas vocações e talentos para arte e afins, Mona sempre, sempre surpreende positivamente, ela que é além de excelente cantora, se destaca também como compositora, jornalista, produtora e pós graduada em Globalização e cultura e é mestra em comunicação. Mona mostra seu rock e sua música maravilhosa e de qualidade para o público na década de 70 e participou brilhantemente no festival Massafeira um dos mais importantes movimentos artísticos acontecido no Ceará e que foi organizado pelo cantor Ednardo , que mais tarde virou disco com vários artistas e Mona gravou de sua autoria, a linda Cor de Sonho.

A artista lançou também vários outros discos e sempre com grandes sucessos e de uma qualidade musical e de autoria que identificam a arte e sensibilidade de Mona. Lançou os CDs Mona Gadelha (Movieplay, 1996), Cenas & Dramas (Eldorado, 2000), Tudo se Move (Brazilbizz, 2004), Salve a Beleza (Brazilbizz, 2010), “Praia Lírica, um tributo à canção cearense dos anos 70” (Brazilbizz, 2011) e “Cidade Blues Rock nas Ruas (Brazilbizz, 2013). O primeiro CD, com 13 faixas de sua autoria, exceto “Sinal” (de Edvaldo Santana) “Ingazeiras” (do seu conterrâneo Ednardo), foi produzido por Alexandre Fontanetti, com quem viria a trabalhar novamente nos álbuns Tudo se Move, Salve a Beleza e Cidade Blues Rock nas Ruas.

Tudo se Move conseguiu ótima e enorme  repercussão no Brasil e no mercado internacional, especialmente com a faixa “Saint-Denis-Ceará”, que foi incluída em diversas compilações lançadas nos Estados Unidos, na Ásia e na Europa.. A versátil e talentosa Mona venceu o Concurso de Contos Femininos do Jornal O Povo, com júri presidido pelo escritor Moreira Campos, em 1980. Também como escritora, publicou um perfil biográfico de José de Alencar (FDR, 2001) e o livros de contos Contagem Depressiva (1980).

Foi editora do semanário Meio & Mensagem, atuando ainda como jornalista na TV Manchete, O Povo e O Estado de S. Paulo. Depois de uma longa passagem por redações de jornais e revistas. Em 2004 criou o selo, editora musical e produtora Brazilbizz, lançando os CDs de Mau Sacht, Rogério Rochlitz (Carro de Boy), ClarinETC (Concertos Millenovecento), Allan Grando e Attilio Mastrogiovanni, estes de música clássica. Participou de feiras internacionais (MIDEM 2002 e 2003, em Cannes, França) no estande oficial do Brasil e Festival das Músicas do Mundo (2000, Zaragoza, Espanha). Foi conferencista no Womex 2003, em Sevilha, Espanha, falando sobre “música e inclusão social”.

Mona Gadelha é coordenadora do Laboratório de Música do Porto Iracema das Artes, em Fortaleza, onde atua desde 2014 e continua nos brindando com composições incríveis e fazendo parcerias musicais criativas, modernas e que acentuam o seu talento, sua arte. Mona é sem sombra de duvidas um dos nomes mais importantes da arte no Brasil por toda contribuição ao país com sua obra, sua arte e seu talento.

Juninho Batista
Produtor Cultural
Siga-o no Instagram: @juninhobatistaprodutor
E-mail: contatoproducoesartistica@gmail.com

Um comentário

  1. Nossa diva. Parabéns Juninho Batista e Ciro Santos pela bela iniciativa. Sucesso.

Deixar uma resposta