Ioiô Itinerante: Museu do Ceará comemora 90 anos com programação especial para celebrar o bode mais famoso do estado

Compartilhe nas redes

Em parceria com a Rede Pública de Equipamentos Culturais da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult Ceará), de março a maio, será realizada uma série de atividades online e presenciais como mesas-redondas, exposições, cortejo, oficinas, experimentações artísticas e palestras, para celebrar duas efemérides: os 90 anos de fundação do Museu do Ceará e o centenário da eleição do Bode Ioiô. 

Para celebrar o centenário da eleição do Bode Ioiô e os 90 anos do Museu do Ceará, o equipamento cultural da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult Ceará) preparou uma programação especial. Com uma série de atividades como mesas-redondas, exposições, cortejo, oficinas, experimentações artísticas e palestras, para celebrar as efemérides,  o programa “Ioiô Itinerante” tem início no dia 9 de março e estende suas ações até maio de 2022.  A programação acontece em parceria com o Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE) e o Museu da Cultura Cearense (MCC), museus que integram o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC); o Sobrado Dr. José Lourenço; o Theatro José de Alencar; o Cineteatro São Luiz; e a Biblioteca Pública Estadual do Ceará (Bece), que integram a Rede Pública de Equipamentos Culturais da Secult Ceará. 

Com o “Ioiô Itinerante: o centenário da eleição do bode mais famoso do Ceará (1922-2022)”, o Museu do Ceará celebra seus 90 anos, se reinventa e se renova, trazendo para o público cearense uma série de atividades de fruição e ações formativas que se relacionam com o patrimônio e memória do Ceará. “Mais do que apenas uma celebração dos 90 anos do Museu do Ceará e de ser uma ação irreverente, o projeto Ioiô Itinerante é uma ação de reflexão em torno dos tempos atuais e de como as histórias do bode e do próprio Museu podem nos fazer pensar e agir em um ano tão decisivo como este de 2022. São 100 anos da “eleição” do Bode Ioiô para vereador de Fortaleza, pelo seu carisma na paisagem da cidade, mas também como um ato de protesto. De novo, o Bode vai fazer uma itinerância pela cidade, enquanto executamos a reforma e restauro de sua casa, o Museu do Ceará. Então, ele vai andar pelos equipamentos culturais da Secult Ceará até voltar com o Museu restaurado. Por onde passar trará uma reflexão sobre a reconfiguração do próprio conceito e programa do Museu do Ceará para os tempos atuais, levando em conta seu percurso histórico, suas coleções, acervos e de como a instituição pode ser reinventada com mais diversidade nos atores sociais e sujeitos históricos nas representações e interpretações da história do Ceará. O Bode Ioiô está aí para nos provocar com irreverência e inteligência nessa reflexão”, destaca o secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano Piúba.

A proposta também propõe reflexões sobre política, eleições e democracia, de forma lúdica, com a realização de experimentações artísticas, educação patrimonial, mediação cultural e programação infantil, por meio da história e memória sobre o Bode Ioiô, eleito vereador de Fortaleza, em 1922. “Não é possível mais, na atualidade, pensar em museus somente como espaços expositivos, de contemplação e curiosidades, para a reificação de uma memória e história única sobre uma sociedade. Um museu também é espaço de debates, crítica, construção do conhecimento e reivindicações sociais. O Museu do Ceará é um espaço para um debate histórico-crítico e deve contemplar as discussões e demandas sociais de nosso tempo. Com a programação “Ioiô Itinerante”, o Museu do Ceará espera propiciar, em parceria com demais instituições da rede de equipamentos da SECULT-CE, reflexões sobre cultura política, lutas por direitos, democracia e processo eleitoral em um momento crucial para esse debate em nosso país e o mundo. É muito importante refletir sobre a memória que ficou sobre Ioiô ter sido eleito, tornando o caprino um dos símbolos da molecagem e da irreverência do povo cearense. Cada equipamento cultural, a partir da sua especificidade, propõe uma programação diferente contando com a presença de um dos itens mais famosos do acervo do Museu do Ceará: o bode Ioiô”, ressalta a diretora do Museu do Ceará, Raquel Caminha. 

Programação

Abrindo a programação de itinerância do Projeto, entre 9 e 20 de março, o Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE) receberá o Bode Ioiô em seu espaço expositivo. A presença desse histórico personagem trará à luz uma discussão sobre representatividade. Ao longo desse período, os visitantes da Mostra poderão participar da ação “Ioiô não vai votar”, proposta pela artista Sy Gomes, que convida o público a votar em uma nova eleição. Fazendo uma analogia com o animal empalhado, Gomes provoca questionamentos sobre o tratamento dado a vidas travestis. No dia 20, às 16h, acontecerá a culminância da performance, com a contagem dos votos coletados durante o período. 

Após passagem pelo MAC, o Bode seguirá para o Museu da Cultura Cearense (MCC), também localizado no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, entre os dias 22 de março e 3 de abril para compor a instalação “O universo fabuloso do Bode Ioiô”, na sala 01 do MCC. Também serão realizadas ações alusivas à passagem do Bode Ioiô. No dia 1º de abril, às 15h, no YouTube do Dragão, será lançada a “videorreportagem Ioiô: o bode que fez história”. Idealizada pela educadora Mirella Mirla, a produção audiovisual traz o educador patrimonial, pesquisador e turismólogo Gerson Linhares para contar um pouco da história do bode mais famoso que já existiu no Ceará. No dia 2 de abril, às 15h, também no canal do Dragão no YouTube, o educador Amadeu Batista receberá a turismóloga e professora Gláudia Mapurunga para uma mesa redonda virtual sobre “Usos e Representações do Bode no Ceará”, abordando a caprinocultura e a ovinocultura como elementos culturais do sertão cearense e a importância da Tejubode, tradicional feira de animais que movimenta toda a região do vale médio do Rio Curu, no município de Canindé. Encerrando a passagem do bode Ioiô pelo MCC, no dia 3 de abril, às 16h, na sala 1 do MCC, será relançado o cordel “Ioiô – uma entrevista com o bode mais querido do Ceará”, de autoria de Torquato Lima e Klévisson Viana, com distribuição gratuita.

Na BECE

Na sua itinerância, o Bode ioiô marca a sua passagem na Biblioteca no período de 05 a 17 de abril. Dia 05 de abril, ocorre a abertura da exposição com uma roda de conversa com Júlio Lira sobre o Bode Ioiô. Já nos dias 6, 8, 13 e 15, será a vez do Pequenas Grandes Histórias, com Sessões de Escritas de Zines infantis sobre o Bode Ioiô. Ao todo teremos 4 sessões de escritas no setor infantil: dia 6, quarta à tarde de 15h às 17h; dia 8, sexta à tarde 15h às 17h; dia 13, quarta pela manhã de 9h às 11h e dia 15 pela manhã de 9h às 11h

Dia 07 de abril, às 15h, com ações presenciais, quem abre a tarde é o ilustrador Rafael Limaverde, com o Ilustr(a)ção! e na companhia de Paula Iemanjá. A atividade será presencial e aberta ao público. 

De 13 de abril a 29 de maio fica em cartaz na Bece a Exposição Galeria Folheada: “O Bode Iôiô vai à Biblioteca nos trânsitos culturais de uma cidade sem fim…”. A mostra é composta por publicações e documentos do acervo da biblioteca que tem como referência o Bode Ioiô.

Dentro do programa Descobertas da Pesquisa Acadêmica, teremos a palestra ” Memórias sobre o Bode Ioiô, o caprino mais famoso do Brasil”, com a coordenadora de Patrimônio da Secult, Cristina Holanda.  A atividade ocorre no dia 14 de abril, às 15h, pelo YouTube da bece. A programação continua com o Histórias do Bode Ioiô, um lançamento de cordéis e livros infantis de autores e ilustradores cearenses. A ação ocorrerá dia 16/04, sábado, às 14h. E as atividades culturais não param por aí, o Zine-se Ioiô ! promoverá sessão de leitura dos Zines Ioiô, feitos coletivamente no TJA, em 2002, com convidados autores. E terão ainda as contações de histórias, visitas guiadas, lançamento de livros etc.

No Sobrado Dr José Lourenço

O Sobrado Dr. José Lourenço, de 19 a 23 de abril, irá movimentar as redes sociais com vídeo sobre curiosidades do Bode Ioiô e sua relação com o Centro de Fortaleza. Já o Theatro José de Alencar (TJA), de 2 a 17 de maio, recebe o próprio Bode Ioiô no seu Jardim de Burle Marx. Quem visita o TJA também terá um momento especial com o cortejo puxado pelo Bloco Iracema Bode Beat e intervenções na calçada. A programação fará parte do Theatro de Portas Abertas, no dia 17 de maio. 

O espetáculo “O Bode Quer”, de Evan Teixeira, também integra a programação e estará em cartaz no Cineteatro São Luiz, no dia 24 de maio, às 17h. 

Bode Ioiô

Personagem da cidade de Fortaleza, o Bode Ioiô ganhou o mundo com sua história inusitada. Ganhou fama quando foi eleito vereador nas eleições de 1922, em um ato protesto da população. Conta a memória de Fortaleza que o caprino tinha livre trânsito pela cidade, sem ser incomodado pelos fiscais da Intendência, adentrando vários estabelecimentos comerciais, sobremaneira os Cafés, onde desfrutava do carisma de muitos e de vários tipos de regalias. O fato tem sido narrado por muitos memorialistas da cidade e mesmo por viajantes. Após seus anos finais, o animal chegou a ganhar necrológios em alguns dos jornais locais e seu dono providenciou para que fosse empalhado, sendo então doado ao recém-criado Museu Histórico do Ceará – que se tornou o Museu do Ceará -, onde até hoje se encontra e nunca saiu de exposição, contrariando a opinião de muitos à época, de que um bode sertanejo nunca deveria figurar ao lado das “personalidades ilustres” da História de nosso estado. O personagem também foi tema do enredo da escola de samba Paraíso do Tuiuti em 2019 e tem inspirado muita gente ao longo de sua história.

Museu do Ceará 

O Museu do Ceará foi a primeira instituição museológica oficial do Estado, criada por decreto em 1932, mas aberto oficialmente ao público em janeiro de 1933 com a denominação de Museu Histórico do Ceará. A instituição é sediada no Palacete Senador Alencar, idealizado originalmente para ser a Assembleia Provincial do Ceará, na época do Brasil-Império. A edificação foi tombada pelo seu valor histórico e arquitetônico em 28 de fevereiro de 1973 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).O Museu do Ceará conta com 13 mil peças em seu acervo.

Atualmente, o Museu do Ceará está com visitas suspensas por conta da necessidade de restauro, requalificação e modernização do equipamento cultural. A obra conta com recursos do tesouro estadual e do edital de chamamento para seleção de projetos do Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD) do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP). A conclusão da obra está programada para 2023. Enquanto isso, o Museu do Ceará estará realizando ações itinerantes e online.

Compartilhe nas redes

Deixar uma resposta