Se você tem um imóvel residencial vago e pretende aluga-lo, fique ligado nestas dicas!

Ao decidir por alugar seu imóvel residencial, tenha em mente que o primeiro passo é fazer uma divulgação atraente e com imagens que valorizam o local.

Em seguida, você precisa definir o público alvo, ou seja, os futuros inquilinos, que habitarão seu imóvel, por exemplo, família, estudantes ou trabalhadores.
Com uma lista de pretendentes em mãos, chegou o momento de selecionar o perfil que mais se encaixa no seu objetivo.
Abaixo, relaciono os documentos que o pretenso locatário deverá apresentar para a elaboração do contrato de locação:

  • RG e CPF;
  • comprovante de residência atual;
  • recibo de pagamento do último aluguel do local onde está morando;
  • os três últimos holerites ou contracheques ou cópia da carteira de trabalho assinada pelo atual empregador.

    Esses são documentos básicos, mas é possível solicitar outros, tais como, comprovante de rendimentos.
    Além disso, é muito importante que o locador tenha a segurança de que os alugueres serão honrados, por isso, faz-se necessário o seguro-caução ou o fiador.
    E uma forma bem tradicional, é exigir a presença de um fiador.
    Fiador… por que muitos temem receber esse “convite”?
    Aquele que teme ser fiador, sabe o que é ser um: fiador, num contrato de locação, é quem se responsabiliza pelo pagamento de uma dívida (aluguéis e demais encargos) caso o locatário não consiga cumprir com seu compromisso.
    Então, tome nota da relação de documentos que o fiador deverá apresentar para a elaboração do contrato de locação:
  • RG e CPF;
  • comprovante de residência atual;
  • comprovante de pagamento do IPTU de imóvel que está em seu nome;
  • comprovante de renda.
    Mas… se o pretenso locatário não apresentar fiador?
    Calma jovem! A Lei do Inquilinato prevê, em seu art. 37, outras opções, além do fiador: caução, seguro fiança e cotas de investimento via sessão fiduciária.
    Todas as opções têm por objetivo proteger o proprietário em caso de endividamento do inquilino e receber o valor inadimplido por este.

Bruna Mazzer
Advogada OAB-CE
Especialista em direito de família/sucessões/registros públicos pela UECE
Siga-a no instagram: @brunamazzer.adv

Deixar uma resposta