Chapada do Araripe segue para reconhecimento como a primeira Paisagem Cultural do Ceará

“Integrar a lista estadual é um primeiro passo para fortalecer a candidatura da Chapada do Araripe como Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade. Proposta que será enviada em 2023 para a UNESCO”, ressalta o secretário da Cultural Fabiano Piúba. 

O reconhecimento da Chapada do Araripe como Paisagem Cultural será enviado em projeto de Lei à Assembleia Legislativa, que cria o instrumento jurídico da Chancela Cultural na Legislação estadual de patrimônio, para que seja conferido à Chapada do Araripe esta chancela como Paisagem Cultural do Ceará. Após apreciação dos deputados, seguirá para aprovação pelo governador Camilo Santana. A ação pioneira, é uma dos passos para a candidatura da Chapada do Araripe como Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade, junto à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. 

A candidatura conta com o apoio da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), Secretaria do Meio Ambiente do Estado do Ceará (Sema) e Secretaria do Turismo do Estado do Ceará (Setur), além da FUNCAP, da Universidade Regional do Cariri (Urca), do sistema Fecomércio, da Fundação Casa Grande, do Geopark Araripe, entre outros, e teve início em agosto de 2019, com a realização do Seminário Chapada do Araripe Patrimônio da Humanidade, ocorrido em Nova Olinda. 

Através da Funcap, foi iniciado ainda em agosto passado o Dossiê exigido pela UNESCO para a candidatura. Até o momento, já foram mapeados bens naturais e culturais de 29 municípios da região, tais como sítios históricos, arqueológicos e paleontológicos, além de expressões da cultura imaterial, como celebrações (festa e Santo Antônio de Barbalha),  reisados, os saberes e fazeres dos mestres da Cultura no Cariri, etc. 

A primeira versão do Dossiê foi apresentada em audiência pública, convocada pelo Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Cultural (COEPA) em 19/5. Estão previstos para o próximo semestre uma segunda Edição do Seminário, a correção de apontamentos da primeira versão do Dossiê, bem como o Planejamento de Gestão da Candidatura da Chapada do Araripe como Patrimônio da Humanidade, até a apresentação formal à UNESCO em 2023.

Alemberg Quindins, fundador da Fundação Casa Grande, em Nova Olinda, que também contribuiu com a campanha, ressalta “Enquanto cearenses, nordestinos e brasileiros, já temos ciência e consciência de que a Chapada do Araripe, do ponto de vista cultural e do Cariri, é um patrimônio da humanidade. 

Sobre o uso do assento no “da” que integra o nome do Dossiê o secretário da Cultura Fabiano Piúba ressalta que  Alemberg é como o Gilberto Gil, ele tem as sacadas poéticas – é como se fosse uma oferta do Ceará para a humanidade, de como a conservação, a preservação, a salvaguarda e o envolvimento das pessoas pode ser um elemento central para o desenvolvimento humano da região da Chapada do Araripe e do Cariri. Creio que estamos abrindo um processo muito importante junto ao Coepa, para que esse projeto possa ser respaldado por essa instância e, como também colocou a professora Conceição Lopes e o professor Patrício Melo,  ela é generosa com o próprio Ceará e estados vizinhos. 

“Estamos trazendo a ideia de uma abertura da zona do entorno para Pernambuco, Piauí e Paraíba. Em um primeiro momento, com Pernambuco, teremos uma reunião conjunta, para um outro passo importante, que seria a assinatura de um termo de cooperação dos estados do Ceará e Pernambuco para essa candidatura”, ressaltou o secretário.

Deixar uma resposta